sábado, maio 18, 2024
anuncio
HomeEsporteGRB de Zé Roberto Guimarães bate o Bradesco e está na Superliga...

GRB de Zé Roberto Guimarães bate o Bradesco e está na Superliga B

por: Redação

Compartilhe esta notícia!

Barueri faz 3 a 1 no Bradesco e se classifica para a segunda divisão do vôlei brasileiro. Técnico agora corre para atrair patrocinadores

suelle
Suelle sobe para bater. A número 9 foi um dos destaques ofensivos de Barueri. Fotos: Mário Trujillo/BnR

O time de vôlei feminino do GRB venceu o Bradesco por 3 a 1 na noite desta terça-feira, 1º/11, e garantiu o direito de disputar a próxima edição da Superliga B, que deve começar em dezembro. Com a vaga na mão, o desafio do time do técnico José Roberto Guimarães é encontrar patrocinadores até lá para segurar as jogadoras que formam o elenco.

Apesar de enfrentar um adversário mais qualificado que o Sada/Betim, da estreia, o GRB manteve o controle do jogo a maior parte do tempo. A exceção ficou por conta do terceiro set, quando o time se desconcentrou, errou bastante, e acabou perdendo. As parciais da partida foram 25-16, 25-20, 22-25 e 25-19. Segundo a organização, 3,5 mil pessoas foram ao José Correa assistir ao jogo.

torcida
Torcida empurrou o time durante todo o jogo. Público estimado foi de 3,5 mil pessoas

No primeiro set, Barueri abriu 4-0 e não teve problema para conduzir o jogo. O placar poderia ter sido mais dilatado se não fosse por problemas de colocação e falhas no passe em certos momentos que permitiram que o Bradesco pontuasse. Na parte final do período, Suelle apareceu bem no ataque e encaminhou a vitória.

O segundo set foi equilibrado até 8-7. A variação de jogo do Bradesco funcionava bem e forçava os erros de passe de Barueri. Mesmo assim, o GRB se manteve à frente e o destaque foi Sara, que pontuou quatro vezes.

No terceiro set, a equipe do Bradesco aproveitou a falta de concentração de Barueri e saiu na frente, mantendo a liderança do marcador o tempo todo. O Bradesco defendeu muito e bloqueou bem e as bolas do GRB não caíam. Na defesa, o bloqueio não funcionava e o adversário explorou o buraco que se abriu no meio da quadra.

O quarto set começou com erros de lado a lado, inclusive no saque, o que manteve o placar equilibrado até 7-7. Mas o GRB havia retomado a concentração e se impôs, marcando melhor o ataque adversário. Sara e Vivi apareceram bem na frente e Érika fez valer sua experiência e categoria.

Próximo passo: patrocinadores

zeroberto
Desafio de Zé Roberto é atrair parceiro

Ao fazer um balanço da equipe nas duas partidas da seletiva, José Roberto Guimarães avalia que o desempenho esteve dentro do esperado. “Tivemos pouco tempo para treinar a algumas atletas vinham de grande período de inatividade”, explicou. Sobre o jogo contra o Bradesco, ele comentou que o adversário era mais forte e que o GRB esteve disperso no quarto set.  

Conseguida a classificação, o desafio de Zé Roberto é encontrar patrocinadores para a próxima competição. Até aqui, as jogadoras participaram voluntariamente do projeto do técnico. “Queremos manter as jogadoras, mas para isso precisamos fechar logo parcerias para darmos continuidade ao trabalho”, disse o treinador após o jogo.

Zé Roberto tem conversado com empresas interessadas em investir no time, mas, segundo ele, não há nada de concreto por enquanto. A Superliga B, que é a segunda divisão do voleibol brasileiro, começa em dezembro e tem oito participantes. Ela garante duas vagas para a primeira divisão.

Érika quer ficar

erika
Érika: “Quero encerrar a carreira aqui”

Estrela consagrada, medalhista olímpica, Érika Coimbra diz estar vivendo uma experiência nova no vôlei. “Eu estava parada fazia nove meses, já pensava em parar, mas aí o Zé me chamou e eu não pude recusar”, conta. “Achei o projeto ótimo e topei por amor ao vôlei. E não me arrependi.”

Érika tinha propostas para jogar fora do Brasil, mas descartou. “Fisicamente, para mim seria muito complicado competir no Exterior.” Ela deixou seus projetos sociais em Lagoa Santa, MG, para vir para Barueri. “Mudei com tudo para o Sportville, deixei tudo para trás, e estou amando conviver aqui com as meninas.”

Aos 36 anos, jogadora mais experiente do elenco, Érika é a líder natural do grupo, onde as colegas de time são também suas fãs. Ela se diz feliz com a decisão. “Ontem (segunda-feira), eu até chorei quando vi o ginásio cheio, senti o carinho da torcida”, conta. Agora, ela torce para o treinador fechar logo com algum patrocinador. “Eu quero ficar, quero encerrar minha carreira aqui.”

[sam_ad id=”20″ codes=”true”]

Postagens Relacionadas
- Advertisment -

Mais Populares

error: Conteúdo Protegido!