sábado, julho 2, 2022
spot_img
HomeEsporteFutebol e Samba: como o Paraíso dominou Barueri

Futebol e Samba: como o Paraíso dominou Barueri

por: Redação

Ao completar 17 anos de existência, o Ganga do Jardim Paraíso se firma como protagonista, tanto no futebol quanto no samba de Barueri

Ganga comemora seu primeiro título, campeão regional de 2001, em cima do rival 2000. Fotos: acervo Tela

Se hoje existe em Barueri um time que saiu dos limites de seu bairro, e que tenha torcida, atletas e dirigentes espalhados pelas várias regiões do município, esse time tem nome: Ganga Futebol e Samba. Vários fatores são responsáveis para que tenha acontecido. O Barueri na Rede foi ao Jardim Paraíso e conversou com gente ligada à história do Ganga, como Tela e Moita, e tenta, aqui, mostrar um pouco dessa história de paixão entre o time e seu povo.

Fundação

Apesar de estar sediado na rua Tayo, no Jardim Paraíso, o embrião do Ganga foi gerado na Estrada dos Romeiros, 518, onde se localizava a fábrica de adesivos da Colacril, hoje transferida para Campo Mourão, Paraná. Era lá que no final dos anos 1990 trabalhava Rael, um dos fundadores do time. Jogador de futebol em Barueri, Rael indicava seus amigos do bairro e dos campos sempre que a empresa precisava contratar novos funcionários. Assim a Colacril foi montando um time de qualidade, ao menos nas quatro linhas.

Capitão, Rael recebe a primeira taça da primeira divisão

Esse grupo de amigos-jogadores que Rael levou para trabalhar e jogar pela Colacril passou a ser chamado de “Ganga do Rael” por um antigo funcionário da empresa, o qual não simpatizava com esse movimento. Quando em 1998 seu amigo Periquito teve a ideia de criar um time no Paraíso e começarem a discutir o nome, Rai, outro fundador, sugeriu o nome Ganga, já que a base do novo time seria o pessoal que já jogava junto na Colacril e suas cores seriam herdadas do fardamento da empresa com o qual disputaram seus primeiros jogos.

Assim, no dia 25/9/1999, nascia o Ganga Futebol Samba Cerveja e Mulher, que ao se inscrever para disputa do Rebolo naquele mesmo ano teve o nome reduzido pela Secretaria de Esportes para para Ganga Futebol e Samba. Começava aí a história que extrapolaria a rua Tayo, o Jardim Paraíso, a Zona Norte da cidade e alcançaria admiradores, e também desafetos, em todas as regiões de Barueri.   

Saiba que é o adversário do Ganga na grande final: O orgulho da rapaziada da Rua Petrolina no Mutinga 

Conquistas

O time da primeira conquista, regional 2001, com a já fanática torcida

Já no seu terceiro ano de existência, o Ganga foi campeão da fase regional do campeonato ao vencer o vizinho e maior rival 2000 pelo placar de 3X2, com gols de Rael e Luizinho (2) naquela que é considerada até o hoje como a mais importante vitória do Ganga. Afinal era o primeiro título oficial e de quebra contra os maiores desafetos. No entanto a sequência daquela temporada iria marcar também a maior derrota sofrida pelo verde e preto, ao ser vencido, na semifinal do campeonato do municipal, pelo  Vasco, que seria campeão naquele ano. A torcida se revoltou e começou a criar a imagem de encrenqueira, fama que ainda perdura até hoje e apagá-la é o maior desafio da diretoria gangueira. 

Mas estava escrito que o destino do Ganga seria grande e não demorou muito para a conquista do objetivo maior, o título da divisão principal do campeonato de Barueri. E a alegria foi em dobro no Paraíso em 2004, quando, no mesmo dia, o Ganga ganhou os títulos da primeira divisão, vencendo o Vila Nova na final, e do juniores pela primeira vez. Rael, no seu último ano como atleta na categoria principal, e Escurinho, foram destaques na equipe. E nos juniores aparecia aquele que hoje é o maestro do time de cima do Ganga, o meia Paulinho.

Campeão dos juniores em 2004
Ganga Futebol e Samba, campeão dos juniores em 2004

E como glória pouca não cabe no Jardim Paraíso, o Ganga engatou a sequência de títulos em 2005 e 2006, tornando-se o primeiro, e por enquanto único, tricampeão clássico no futebol barueriense neste século, aquele em que as conquistas são consecutivas. De quebra, Escurinho alcançou o feito extraordinário de se tornar pentacampeão de Barueri, já que havia vencido os campeonatos de 2002 e 2003 jogando pelo Central, do Jardim Silveira.

O Ganga ainda se tornaria vice-campeão em 2009 e 2011, perdendo para o América do Maria Helena nas duas oportunidades, e viveria uma fase conturbada, sem resultados expressivos, até renascer em 2015 e chegar à semifinal, quando,apesar do favoritismo por ter liderado a fase de classificação, perdeu para o Vila do Sapo, com um time que é considerado por muitos como um dos melhores da sua história.

No atual campeonato, o grupo mesclou a classe e visão de jogo de alguns veteranos, como Paulinho, Plínio e Birão, com o ímpeto dos mais jovens, como Ribeirão e Willy, fez uma campanha irregular no início,  engrenou na segunda metade da fase de classificação quando conseguiu cinco vitórias consecutivas, devolveu, nas quartas de final, a derrota de 2015 para o Vila do Sapo, não tomou gols no mata-mata e chega com muita moral para aquela que será sua sexta final, no domingo, 9/10, na Arena Barueri, contra o Petrolina.

Futebol e Samba

Agora a bandeira do Ganga também na avenida

O samba sempre esteve presente na vida, e no nome, do Ganga. Desde a fundação, o time jogou acompanhado por uma afinada batucada que esquenta a torcida mais fanática de Barueri. E essa bateria seria a motivação para a origem da Escola de Samba do Ganga, também idealizada por Periquito e hoje comandada por Pedro Dony.

Quando o carnaval de rua renasceu em Barueri e as antigas escolas de samba de Barueri aliadas a um movimento de fundação de novas agremiações para, no final, culminar com a fundação a Liga Independente das Escolas de Samba de Barueri, Periquito, o grande líder e fundador do Ganga, foi procurado e convidado para que o time se juntasse a algumas dessas. Segundo Rael, a ideia ficou remoendo a cabeça de Periquito até que um belo, como na fundação do Ganga em 1999, ele decidiu criar sua própria escola de samba, porque para aquelas pessoas, da rua Tayo, da favela do Paraíso, não basta ser coadjuvante de ninguém. O Ganga e os gangueiros nasceram para protagonistas.

[sam_ad id=”18″ codes=”true”]

Postagens Relacionadas
- Advertisment -

Mais Populares

error: Conteúdo Protegido!