sexta-feira, agosto 19, 2022
HomeCidadeFuncionários de call center denunciam falta de medidas de segurança em empresas

Funcionários de call center denunciam falta de medidas de segurança em empresas

por: Redação

Além da falta de álcool em gel, distanciamento de mesas e liberação para grupo de risco, uma empresa chegou a esconder funcionários durante visita da Vigilância Sanitária

Desde o início da quarentena para evitar a propagação do novo coronavírus, o Barueri na Rede vem recebendo relatos e reclamações de funcionários de call center da cidade que continuam trabalhando. Apesar da categoria de telemarketing não fazer parte da lista de empresas e comércios que devem fechar (confira o decreto do Governo do Estado aqui), empresas de call center precisam seguir algumas regras de segurança, o que de acordo com funcionários não está sendo respeitado.

Funcionários da empresa Liderança Cobrança, que fica na rua Campos Sales, no Centro, relatam que continuam trabalhando em mesas ao lado uma da outra e que chega a faltar álcool em gel. “Eles fornecem o álcool, mas quando acaba, ninguém repõe. Já ficamos dois dias sem álcool em gel depois que tudo isso começou”, conta um funcionário ao BnR. “Alguns funcionários fizeram postagens no Facebook denunciando, a empresa até se disponibilizou em fazer um rodízio de funcionários, mas ameaçaram quem publicou de demissão por justa causa”, completa ele.

Funcionários afirmam que durante visita da Vigilância Sanitária, foram obrigados a se esconderem/Fotos: Divulgação

Outro fato é que a empresa ao receber uma visita da Vigilância Sanitária na segunda-feira, 23/3, teria escondido parte dos funcionários em um refeitório. “Nos dois períodos, quando os agentes foram no local, a empresa colocou cerca de 40% dos funcionários para trabalharem, e o restante esconderam no 2º andar do prédio”, conta outra funcionária ao Barueri na Rede.

Em outro relato, um funcionário ressalta que na entrada da empresa, supervisores pediram para que os servidores esperassem do outro lado da rua, para não aglomerar na porta. “Não queriam funcionários em frente a empresa e nos pediram para aguardar o horário de entrada do outro lado da rua, para que não fosse visto que estamos todos indo trabalhar normalmente”, desabafa o funcionário. ‘Fizeram até uma lista para quem pode fazer home office, e dessa lista, ficaram de fora pessoas com doenças crônicas”, completa ele.

Outra empresa que está sendo alvo de reclamações é a CSU, localizada na Nova Aldeinha, em que servidores relatam que tiveram contato com supervisores com suspeita da covid-19. “A empresa mal tem álcool em gel para todos os funcionários. Lá dentro mesmo ficamos sabendo que supervisores foram afastados com suspeita de coronavírus, e mesmo assim, continuamos trabalhando”, conta um leitor ao BnR.

O Barueri na Rede tentou contato com a empresa Liderança Cobrança questionando quais medidas estão sendo adotadas para controlar a propagação de coronavírus entre funcionários, como foi feita a lista para quem pode trabalhar home office, além de um posicionamento da empresa em relação a esconder funcionários em um refeitório. Porém, até o fechamento desta reportagem, a Liderança Cobrança não se posicionou sobre o caso.

Já a CSU também foi questionada sobre as medidas adotadas pela empresa, a falta de álcool em gel e em relação aos funcionários que tiveram contato com supervisores com suspeita da covid-19. Em resposta, a CSU informou que tem realizado o monitoramento diário de todo o corpo de atendimento e até o momento não houve nenhum caso confirmado de infecção por COVID-19 entre suas equipes. A empresa também afirma que foram implantadas medidas como um stand para a medição da temperatura corporal e a visita de um infectologista para auxiliar em novas ações.

Ainda de acordo com a CSU, há um investimento na ampliação do espaço físico de trabalho e a liberação da área do estacionamento a todos os funcionários para facilitar a adoção de alternativas ao transporte público. Sobre implantar o chamado home office, a empresa disse que tem antecipado o período de férias dos atendentes e priorizado funcionários com maior exposição ao problema, e que por enquanto mais de 600 funcionários entraram de férias. A CSU informou ainda, que até o final da semana cerca de 890 colaboradores estarão em operações de Home Based (teletrabalho) para evitar o deslocamento de suas casas.

Já em relação a falta de álcool em gel, a empresa diz ter intensificado os serviços de limpeza e higiene em todas as instalações, disponibilizando produtos de higienização pessoal e dos equipamentos de uso pessoal na execução das atividades. Por último, a CSU declara que até o momento não houve confirmação de nenhum caso positivo da covid-19 na companhia.

 

Postagens Relacionadas
- Advertisment -

Mais Populares

error: Conteúdo Protegido!