quarta-feira, junho 19, 2024
anuncio
HomeCidadeSTM mantém ação por homicídio contra capitão do Exército no caso de...

STM mantém ação por homicídio contra capitão do Exército no caso de soldados afogados

por: Redação

Compartilhe esta notícia!

O capitão Luiz Henrique Machado Brites pedia o trancamento da ação penal contra ele no caso que vitimou três soldados em 2017

O Superior Tribunal Militar (STM) negou nesta segunda-feira, 17/6, o pedido de trancamento da ação penal do capitão do Exército, Luiz Henrique Machado Brites, no caso de afogamento de três soldados do 20° Grupo de Artilharia de Campanha Leve (GACL) em abril de 2017 (relembre).

O capitão e outros quatro militares são processados por homicídio culposo e lesão corporal pela morte de três recrutas durante exercício naquele ano. A defesa do militar utilizou um habeas corpus para pedir o trancamento da ação penal a que responde, além da nulidade dos depoimentos prestados pelo acusado no Inquérito Policial Militar (IPM), já que na ocasião ele foi ouvido na condição de testemunha.

Responsável pelo caso, a ministra Maria Elizabeth Rocha entendeu que os depoimentos concedidos pelo capitão na fase de IPM constituem provas ilícitas e que devem ser retiradas parcialmente dos autos. Entretanto, ela entendeu que subsistem provas suficientes a ensejar análise meritória, não havendo prejuízo ao andamento do feito, negando o pedido de trancamento da ação penal.

O voto da ministra foi acatado por unanimidade pelos demais ministros da Corte.

Entenda o caso

Em abril de 2017, os soldados do Exército Weslley dos Santos, Jonathan Cardoso e Vitor Costa Ferreira, ambos de 18 anos, participavam de atividade prevista no treinamento do combatente básico e morreram afogados na unidade militar que fica no Jardim Belval.

Um IPM foi instaurado para apurar a morte dos recrutas. Um capitão, oficial de prevenção de acidentes; um segundo capitão, responsável pelo exercício; um tenente, responsável pela orientação; um cabo e um soldado, ambos auxiliares de instrução; foram denunciados pelo Ministério Público Militar.

A promotoria do caso entrou com requerimento para que os cinco militares respondam na Justiça Militar, em São Paulo, pelos crimes de homicídio culposo majorado, por conta do número de vítimas, e lesão corporal culposa. Ambos os crimes estão previstos no Código Penal Militar (leia mais).

Postagens Relacionadas
- Advertisment -

Mais Populares

error: Conteúdo Protegido!