sábado, abril 20, 2024
anuncio
HomeCidadeApós quatro anos, filho continua sem resposta para acidente que matou sua...

Após quatro anos, filho continua sem resposta para acidente que matou sua mãe

por: Redação

Compartilhe esta notícia!

Num congestionamento na Castello Branco, em Barueri, ambulância da Secretaria de Administração Penitenciária bateu contra o carro de Marcelo

Em 1º/8 de 2020, Marcelo de Oliveira viajava com sua irmã e sua mãe, Francisca, de 74 anos, de Porto Feliz, no interior de São Paulo, para a capital. Eles iriam buscar a bateria de um notebook usado que a idosa ganhou para iniciar a graduação no curso de eventos na Fatec de Itu.

No retorno para casa, um congestionamento na Rodovia Castello Branco, em Barueri os obrigou a parar. Segundos depois, conforme relata Marcelo, uma ambulância da Secretaria de Administração Penitenciária (SAP) bateu violentamente contra o carro de Marcelo, causando a morte instantânea de dona Francisca.

Passados quase quatro anos, Marcelo e sua família não tiveram qualquer retorno das autoridades, inclusive os e-mails enviados por ele à SAP foram excluídos sem serem lidos pela instituição.

“Não recebi nenhuma ligação da SAP para receber qualquer tipo de amparo. O motorista que bateu no meu carro segue trabalhando normalmente até hoje, sem nenhuma sanção. É nítido nas filmagens que ele sequer freou na hora do acidente”, afirma ele. “Tive que lidar com o funeral da minha mãe somente com a ajuda da minha irmã, ambos fraturados e sem condições de proporcionar um enterro digno para ela”,

A Secretaria de Administração Penitenciária (SAP) informou, através de nota, que o motorista da ambulância está respondendo a um Processo Administrativo Disciplinar por falta grave, que tramita na Procuradoria Geral do Estado. Alega também que o motorista foi afastado de suas atividades normais e trabalha como porteiro de uma unidade prisional.

A CCR ViaOeste, alega que não comentará sobre o caso por “não fazer parte do processo”. A assessoria de imprensa da concessionária alega que as filmagens captadas pelas câmeras das rodovias são divulgadas somente para as autoridades policiais.

O promotor de Justiça responsável pelo processo, Estêvão Luís Lemos Jorge, afirma que as imagens estão anexadas ao processo, junto ao laudo, e o Ministério Público de Barueri indica que se manifestará apenas ao final das investigações policiais, que já duram quatro anos.

Postagens Relacionadas

Deixe sua resposta

Deixe seu comentário
Coloque seu nome aqui

- Advertisment -

Mais Populares

error: Conteúdo Protegido!