terça-feira, maio 17, 2022
HomePolíticaAdvogado e ex-secretário de Barueri citados em inquérito da máfia das OS

Advogado e ex-secretário de Barueri citados em inquérito da máfia das OS

por: Redação

Polícia vê relação de Geraldo Vinholi, ex-secretário de Governo da prefeitura, e de Devair José da Silva Junior, com chefe de grupo que desviou R$ 500 milhões

Um ex-secretário municipal de Barueri e um advogado que trabalha na prefeitura aparecem nas investigações da Polícia Civil sobre a máfia das Organizações Sociais (OS) da área da saúde, a Operação Raio X.

Segundo reportagem publicada pelo jornal O Estado de S. Paulo, a apuração policial concluiu que Geraldo Vinholi, que comandou a secretaria de Governo da cidade de 2017 a 2021, e Devair José da Silva Junior, que trabalhou diretamente com ele no período, mantiveram contato com o médico Cleudson Garcia Montali, apontado como chefe de uma quadrilha que teria desviado mais de R$ 500 milhões em diversos municípios e está condenado a penas que somam mais de 200 anos de prisão.

Vinholi dirigiu a secretaria de Governo de Barueri

De acordo com a polícia, anotações encontradas durante as investigações mostram a palavra “Raposão”, apelido de Devair, ao lado de referências a pagamentos feitos em 2019 nos valores de R$ 70 mil, R$ 50 mil e R$ 15 mil. Em outro ponto do trabalho policial, Vinholi tem contato com um suspeito de pertencer à organização criminosa liderada por Cleudson, e pede que entre em contato com o “advogado”. Também há registro de telefonemas trocados entre a secretária de Vinholi e Cleudson.

Já em uma das ligações interceptadas pela polícia em Araçatuba, onde a operação começou, foi encontrada uma mensagem recebida por Devair em que o grupo combinava o pagamento de R$ 350 mil por mês.

Geraldo Vinholi foi prefeito de Catanduva entre 2013 e 2016. Ele tentou reeleger-se, mas não conseguiu. Em agosto de 2021, foi condenado em última instância pelo Supremo Tribunal Federal (STF) por contratar irregularmente, durante seu mandato, funcionários sem contrato. A pena inclui pagamento de multa e a proibição de ocupar cargo público ou concorrer em eleições por três anos.

Sua indicação para atuar como secretário de Governo de Rubens Furlan, em 2017, causou surpresa tanto por ele ser desconhecido na cidade, como por estar respondendo por um processo relativo a sua gestão. Ele é pai de Marco Vinholi, secretário de Desenvolvimento Regional do governo estadual.

Ao Estadão, Vinholi negou ter prestado qualquer auxílio à organização criminoss. O Estadão e o Barueri na Rede tentaram falar com Devair José da Silva Júnior, mas não conseguiram.

Postagens Relacionadas

Deixe sua resposta

Deixe seu comentário
Coloque seu nome aqui

- Advertisment -

Mais Populares

error: Conteúdo Protegido!