segunda-feira, julho 15, 2024
anuncio
HomeGerson PedroA água da enchente já baixou, mas a bajulação continua alta na...

A água da enchente já baixou, mas a bajulação continua alta na câmara

por: Redação

Compartilhe esta notícia!

No rescaldo da tragédia das águas, os nobres vereadores não esquecem de pontificar seus próprios méritos e dos amigos

por Gérson Pedro

Ainda os ecos da enchente

Na última sessão legislativa do Parlamento 26 de Março o assunto em voga por parte dos “doutos” representantes do povo barueriense foram, sem sombra de dúvidas, os ecos da tenebrosa enchente que se abateu especialmente sobre o bairro do Jardim Maria Helena e que, infelizmente, veio até mesmo a causar a morte de um cidadão que foi tragado pelas águas.

Auxílio humanitário

Como era de se esperar, a administração pública de Barueri, que tem à frente o prefeito Rubens Furlan, enviou à Câmara Municipal Projeto de Lei 009/2023, que trata de um benefício aos moradores do Jardim Maria Helena, algo em torno de 5 a 10 mil reais, dependendo dos prejuízos de cada família. Obviamente existirão regras que deverão ser seguidas para a concessão, é claro. Tal benefício com certeza deverá começar a ter validade nos próximos dias.

As comoventes palavras dos “nobres pares”

Aqui, as manifestações compungidas de alguns dos mui dignos representantes do povo, as quais transcrevemos para que fiquem gravadas para a posteridade. O vereador Thiago Rodrigues disse “Nós vereadores fomos ao local, junto com o prefeito e o vice-prefeito, e vimos a situação daquelas pessoas. É um projeto que mostra sensibilidade com as mais de 250 famílias que foram atingidas pela enchente.” “Vimos em todo o Estado o que as chuvas deste ano provocaram. É aí que a gente vê a importância do poder publico agir o mais rápido possível para minimizar o sofrimento dessas pessoas que estão passando por um momento tão difícil”, destacou Rafa Carvalho. A Cris da Maternal: “Foi uma corrente do bem. A população e o poder público se uniram para ajudar aquelas pessoas preparando refeições, arrecadando alimentos, roupas e o que mais fosse necessário”, relatou. “Ninguém ali estava pensando em política, só no acolhimento para aquelas famílias.” Tudo muito lindo e sincero, não é, amados leitores? (risos discretos)

Autoelogios e “babações” de ovos

Minha nossa, chega a causar espanto a capacidade dos representantes do povo em promover patéticas manifestações entre si e seus próprios pares, em verdadeiras guerras de confetes, senão vejamos as manifestações do ínclito vereador Thiago Rodrigues, que na última sessão rasgou elogios poéticos para si mesmo e também para os seus companheiros de tão espinhosas lides. “Um vereador sozinho é igual a uma andorinha, o trabalho na política é uma arte, o político tem que se renovar todos os dias”, foram algumas pérolas sacadas do seu vasto corolário, digno de causar inveja a Carlos Drummond de Andrade. (risos discretos)

Incorporaram a Madre Teresa?

Meus leitores, será que eu estou enganado ou alguns dos nossos mui dignos representantes incorporaram uma madre Teresa de Calcutá, esbanjando bondades com os chapéus alheios é claro, ou simplesmente estão agindo com falsa modéstia na maior cara de pau diante de um infausto? A falsa modéstia é quando alguém finge ser modesto, ou seja, quando há uma vontade velada de valorizar as suas ações ou comportamentos. Quando alguém não elogia ou afirma algum ato de um falso modesto, este sente-se frustrado por não ter o reconhecimento desejado.

Mas haverá desapropriações?

Pelo visto, tirando as mazelas, os sofrimentos, os oportunistas de plantão e demais associados, a prefeitura de Barueri, obviamente depois dos estudos apropriados e pelo que falam nas bocas de Matildes, poderá promover uma desapropriação de algumas casas que estão em áreas de riscos no Jardim Maria Helena. Porém, já tem uma oposição se formando com relação a isso sob a alegação de que seria uma atitude ditatorial e coisa e tal, que o povo tinha que ser ouvido e os cambaus. Vamos aguardar para ver qual será o fim disso, certo?

Assédio ao Beto Piteri

E o assédio por parte do Partido Republicanos, ao atual vice-prefeito de Barueri, Roberto Piteri, que segundo rola nos meios políticos deverá ser o candidato à sucessão do prefeito Furlan, continua com força total. Nunca é demais lembrar, amáveis leitores, que o Republicanos é um partido político brasileiro de direita. Seu número eleitoral é o 10. O partido está ligado à Igreja Universal do Reino de Deus, sendo seu presidente, Marcos Pereira, um bispo da igreja. Com 495.045 filiados em fevereiro de 2023, é o décimo maior do país. Bão, vamos ver se o Piteri será seduzido pelo canto da sereia.

O canto da sereia

A sereia no caso, ou seja, o próprio deputado federal Marcos Pereira, que também é vice presidente da colenda câmara federal, esteve em Barueri em um evento mistureba de religião com política capitaneado pelo partido do Bispo Macedo e na ocasião firmou o convite para que Piteri venha compor as hostes da agremiação, ao mesmo tempo em que anunciou também que o vereador Wilson Zuffa foi indicado como presidente do diretório municipal de Barueri.

Qual a história do canto da sereia?

Claro que qualquer semelhança não passa de mera coincidência, porém,nunca é demais lembrar que na mitologia grega, as sereias eram seres demoníacos, capazes de atrair qualquer um que ouvisse o seu canto. Os marinheiros, seduzidos por seu belíssimo som, descuidavam da embarcação e naufragavam. Por isso, o ardiloso Ulisses, ao regressar de Troia, pediu para ser amarrado ao mastro de sua embarcação. Hi,hi,hi!

Afinal, religião e política se misturam?

Dizem que política, religião e futebol não se discute. Juntar dois desses três temas, então, nem pensar. Mas, diante de tudo que vem acontecendo no cenário político-religioso da cidade, decidimos não seguir essa máxima e trazer, sim, esse tema à tona. Há milhares de anos, por exemplo, quando Pôncio Pilatos “lavou as mãos”; e deixou que Jesus Cristo fosse crucificado, a ligação entre religião e política já existia. Quando Jesus entrou no templo e pediu que dessem Cézar o que era de Cézar e a Deus o que era de Deus, também. De lá para cá, pode-se dizer que essa relação só se estreitou – embora haja a “lenda urbana” do Estado Laico. O balaio de gatos está formado. (risos discretos)

Postagens Relacionadas

Deixe sua resposta

Deixe seu comentário
Coloque seu nome aqui

- Advertisment -

Mais Populares

error: Conteúdo Protegido!