Rodada tem confusões, agressões e jogo que não acabou

0
2174
Compartilhe:

Teve dirigente contido por seus atletas em uma partida e troca de agressões entre jogadores e bandeirinha em jogo inacabado

dsc_1169
Petrolina continua invicto e se garantiu nos mata-matas ao empatar com o Argentinos Jrs.

A nona rodada do Campeonato Municipal de Futebol foi marcada por muitas polêmicas com a arbitragem. Na partida em que o Ganga venceu o Comunidade, um dirigente do time do Vale do Sol precisou ser contido por seus atletas para não agredir o árbitro. Já o jogo envolvendo Noroeste e Vila do Sapo não acabou, em virtude de uma grande confusão em que jogadores de ambas as equipes trocaram agressões com um dos bandeirinhas. Do lado esportivo, Ganga, Petrolina e Ceará se garantiram nos mata-matas com duas rodadas de antecedência.

O caso mais grave aconteceu no campo do Silveira. O Noroeste ganhava por 2 a 1 quando o Vila do Sapo empatou a partida, aos 28 minutos do segundo tempo. Jogadores das duas equipes se dirigiram ao bandeirinha, que assinalou impedimento, muito contestado pelo time do Engenho Novo. Na confusão que se estabeleceu, houve troca de agressões entre jogadores e o auxiliar. Sem condições de prosseguir, o árbitro paralisou a partida. Agora, as equipes vão esperar o relatado na súmula e o julgamento pela comissão disciplinar do campeonato.

Com os resultados da rodada, Ganga, Petrolina e Ceará não podem mais ser alcançados pelo Comunidade, nono colocado, e estão classificados para as quartas de final. Destaque para o alvinegro do Mutinga, que venceu seus últimos três compromissos, avançou seis posições e já tem o melhor ataque da competição.

Do lado de baixo da tabela, a situação do Sport Aldeia é dramática e o rebaixamento parece inevitável, já que enfrenta os dois times do Mutinga, Petrolina e Ceará, nas duas últimas rodadas.

Petrolina 0 X 0 Argentinos Jrs

Em jogo bastante movimentado, na manhã de domingo, no campo do CT da Vila Porto, as equipes do Petrolina e do Argentinos Jrs não saíram do zero no placar. Em cada tempo do jogo um dos times mandou na partida, mas os goleiros Léo e Mussum foram quase que espectadores privilegiados.

dsc_1183
Carlinhos deu muito trabalho

O rubro-negro do Mutinga, desfalcado dos meias Bocão e Geninho, e com o zagueiro Martinho entrando apenas na segunda etapa, se valeu da ótima movimentação do seu meio de campo para dominar a primeira etapa.

Com Dedé aberto na esquerda e Carlinhos pela direita, o time até criou algumas oportunidades com a infiltração dos seus jogadores de meio de campo. Mas pecou muito na hora de finalizar e o goleiro Mussum não fez nenhuma defesa.

O Argentinos teve algumas oportunidades de contra-ataque, sem acertar o último passe. No entanto, foi Léo quem fez a única defesa difícil do jogo, depois que Duca triangulou com Renato e bateu no canto direito da meta do Petrolina, aos 23 minutos. Robinho, em bola que cruzou a área, e Pet aproveitando um escanteio de cabeça, tiveram chances não aproveitadas.

Na segunda etapa, o time celeste mandou no jogo, marcando em cima e com muita movimentação, mas também não conseguiu dar trabalho para o goleiro Léo. O meio de campo conseguiu bloquear as ações do Petrolina e os meias Duca e Jé acionavam constantemente os avantes Renato e Robinho, dando muito trabalho para os zagueiros Marcelo e Martinho, que substituiu Douglas.

Duca, bom futebol e expulsão
Duca, bom futebol e expulsão

Com o jogo pegado, uma confusão entre Duca e o volante Cabelo levou o árbitro a expulsar ambos os jogadores. O técnico Buiú tentou colocar o Petrolina mais à frente, trocando o meia Rogério pelo atacante Gui. Do outro lado, Léo colocou Ribeirão no lugar de Renato.

Nenhuma das alterações surtiu efeito e o placar não foi mexido. Com o empate, o Petrolina se mantém como o único invicto e alcançou 17 pontos, o que o garante nos mata-matas. O Argentinos permanece em quinto, muito próximo da vaga.

Ganga 1 x 0 Comunidade

Numa partida que começou chata e sem atrativos e terminou muito quente, o Ganga bateu o Comunidade pelo placar mínimo, no campo do Maria Helena. Mesmo atuando com um jogador a menos durante boa parte do jogo, a equipe do Jardim Paraíso conseguiu a vitória e se manteve na ponta da tabela.

O Ganga iniciou a partida em desvantagem numérica, com apenas nove atletas em campo. No segundo minuto, porém, o time recebeu mais um jogador, ficando com dez. Diante disso, postou-se defensivamente, oferecendo o campo ao Comunidade, que não conseguia abrir espaços.

A partida era sonolenta. Os atletas do Ganga cozinhavam o jogo, fazendo a partida ser interrompida constantemente, irritando o adversário que reclamava muito com a arbitragem. Só aos 32 minutos aconteceu um lance mais agudo. Motoca carregou a bola pelo meio e, livre de marcação, chutou forte, a bola desviou no meio do caminho e acertou a trave direita do goleiro Nilmar. Aos 39, mais uma chance. Fabrício recebeu a bola dentro da área, dominou, se livrou da marcação e bateu cruzado, vendo o goleiro tirar com a ponta dos dedos. E foi só.

Na volta para o segundo tempo, o jogo começou a esquentar e o Ganga passou a oferecer perigo nos contra-ataques. E foi num lance desses que conseguiu abrir o placar. Aos 7 minutos, Messi recebeu lançamento livre na direita, carregou a bola e chutou cruzado na saída do goleiro, botando o Ganga em vantagem.

Messi bate cruzado e abre o placar
Messi bate cruzado e marca o único gol do jogo

Logo após o gol, o Ganga teve seu time completado com a chegada de mais um jogador. O Comunidade, além de não aproveitar a vantagem, ainda tinha tomado um gol. O clima era de muita tensão com o árbitro, que era acusado de ser conivente com a cera do Ganga. Após mais uma paralisação, Sidão, dirigente do Comunidade, começou a reclamar e invadiu o campo em direção ao juiz, sendo contido pelos seus atletas. O jogo ficou quase cinco minutos paralisado e Sidão foi expulso.

Com o jogo reiniciado, o Comunidade foi pra cima, mas esbarrava na competente defesa do Ganga. Alisson e Douglas ganhavam todas as bolas pelo alto e chutavam a bola para fora do campo para afastar o perigo. O jogo ia para o final com sete minutos de acréscimo. No banco do Ganga se ouvia “Acabou. Já passaram mais de dois minutos”. Do outro lado, a resposta era “no meu relógio ainda faltam dez”.

O Ganga ainda teve chances de ampliar, mas o atacante Hugo desperdiçou, chutando mal ou deixando de colocar Messi na cara do gol. Aos 44 minutos, após uma falta por trás, Leandro foi expulso, deixando o Comunidade com um a menos. E a partida terminou com o Ganga em dupla vantagem: no placar e no número de jogadores em campo.

Veja com o está a briga para classificação aos mata-matas:

9a-rodada

Compartilhe: