Furlan escolhe político do interior para ocupar secretaria

0
2604
Compartilhe:

Geraldo Vinholi é de Catanduva, onde foi prefeito e condenado duas vezes por improbidade

O prefeito Rubens Furlan escolheu o ex-deputado Geraldo Vinholi para ocupar o cargo de secretário de Governo de Barueri, que estava vago. Vinholi não tem relação com a cidade e sua base política é Catanduva, a cerca de 400 quilômetros de distância.

Em sua conta no Facebook, o novo secretário afirmou que sua indicação fez parte de uma costura que envolveu o comando de seu partido, o PSDB, e teria passado pelo governador Geraldo Alckmin, pelos senadores José Serra e Aloysio Nunes, atualmente licenciado para dirigir o Ministério das Relações Exteriores, e até pelo prefeito de São Paulo, João Doria.

vinholi1
Novo secretário tem duas condenações por improbidade administrativa

Segundo nota enviada ao Barueri na Rede pela Secretaria de Comunicação da prefeitura (Secom), o secretário de Governo tem como função “assistir e assessorar o prefeito em suas funções político-administrativas, analisar informações com objetivo de subsidiar o chefe do Executivo em tomada de decisões e auxiliá-lo nas interlocuções com outros órgãos”

Geraldo Vinholi tem 64 anos e é economista. Foi eleito quatro vezes deputado estadual e disputou três vezes a eleição a prefeito em Catanduva, tendo ganho na terceira tentativa, em 2013. Também atuou como executivo da Empresa Metropolitana de Transportes Urbanos (EMTU) e da Companhia Paulista de Trens Metropolitanos (CPTM).

Duas condenações

Foi condenado duas vezes na Justiça Eleitoral por improbidade administrativa. Em 2015, respondeu pela acusação de ter usado a máquina pública na campanha a deputado de seu filho, Marco Vinholi (PSDB), em 2014. A condenação incluía ficar inelegível por oito anos, mas ele pôde permanecer no cargo. O processo chegou a ser extinto pelo Tribunal Regional Eleitoral (TRE), mas em março passado o Tribunal Superior Eleitoral (TSE) determinou que fosse reaberto e julgado pela corte paulista. Pelo mesmo caso, o ex-prefeito foi condenado em novembro pelo Tribunal de Justiça (TJ) de São Paulo no âmbito civil.

Em julho deste ano, Vinholi foi condenado outra vez, agora por não ter regularizado a situação de funcionários não concursados nem de ter convocado concurso público para preenchimento das vagas. Por essa condenação, a Justiça suspendeu por três anos seus direitos políticos, mas o ex-deputado recorreu e aguarda novo julgamento sem impedimento para disputar eleições.

Segundo o ex-deputado, sua gestão como prefeito, encerrada em dezembro, teria sido determinante para a escolha de Furlan. Ele destaca o “grande salto de desenvolvimento que tivemos em Catanduva em nossa administração em todas as áreas, reconhecido pelos programas do governo do Estado e nos relatórios de avaliação do Tribunal de Contas”. Ao tentar se reeleger, no entanto, Vinholi ficou em terceiro lugar, com apenas 17% dos votos. Afonso Macchione (PSB) foi eleito com a preferência de 56% do eleitorado.

Compartilhe: